Em Reportagem vinculada na revista época desta semana, uma Médica americana se recuperou de um “derrame cerebral” com muito exercício e pensamento positivo. Leiam a matéria abaixo:

A FORÇA DA MENTE CONTRA O DERRAME

                “Quando acordou na manhã de 10 de dezembro de 1996, a americana Jill Bolte Taylor sentiu uma dor incomum atrás do olho esquerdo. Ela tomou café e seguiu para os exercícios matinais… No banho, já com a visão turva e sem distinguir onde era o começo e o final do próprio braço, ela se deu conta que estava tendo um derrame”.

                “Não andava, não falava, não lia nem escrevia. Jill que é professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Indiana tivera um Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico (AVC). O derrame foi causado por uma artéria que se rompeu. O sangue se espalhou pela caixa craniana…”

                “A história poderia ser banal. O que a torna surpreendente e inspiradora é a forma como Jill encarou o problema. Durante o Derrame, ela diz ter sentido uma paz interior nunca experimentada antes. Para perpetuar a sensação, decidiu que evitaria pensamentos negativos dali em diante. Sendo neuroanatomista, ela sabe que o cérebro tem a capacidade de se regenerar depois de sofrer uma lesão, ainda que de forma limitada. Ao evitar os pensamentos negativos, Jill acredita ter interferido de forma consciente na reconstrução do próprio cérebro. Com o passar dos meses, vários circuitos afetados pelo derrame voltaram a funcionar. “Quando os circuitos não-funcionais voltaram a ativa, eu pude escolher entre estimulá-los ou não, afirma Jill”. “Toda vez que sentimentos ruins tentavam me tomar, eu voltava minha atenção para outra coisa”. “Agora, o circuito da raiva raramente funcionava, porque eu desarmei o gatilho.”

                Durante a recuperação, ela percebeu que certos pensamentos estimulam os circuitos emocionais e resultam numa resposta fisiológica boa ou ruim. Todos nós temos a habilidade de escolher em que focar nossa mente. É mais ou menos o que defendem os adeptos da meditação. Ela teve o acompanhamento de uma terapeuta (fonoaudiólogo), que a ajudou a recuperar a fala, contou com a ajuda da mãe que ensinou a filha a ler novamente, montar quebra-cabeças, se alimentar, ir ao banheiro. Jill também dormiu bastante, o que parece ter contribuído para a recuperação do cérebro”.

                Jill ficou famosa nos Estados Unidos e inclusive entrou na lista das 100 pessoas mais influentes da revista TIME. Escreveu o livro My Stroke of Insight que será lançado em julho no Brasil.

                “Os neurologistas mais céticos argumentam que as recomendações da neuroanatomista não representam nenhuma revolução no tratamento de pessoas que sofreram o derrame. É preciso lembrar que o derrame sofrido pela médica não provocou uma lesão cerebral muito grande. Mas concordam que as ligações entre os neurônios podem ser transformadas a partir das atividades desenvolvidas no dia-a-dia . Depois de traumas, estímulos como a leitura e a FISIOTERAPIA melhoram as funções cerebrais nas áreas que sofreram lesões”.

                Evitar o pessimismo e ter esperança é bom para o tratamento de qualquer doença, afirma o neurologista brasileiro Felipe Fregni, professor da Universidade de Havard. A desmotivação é o que mais prejudica a reabilitação dos pacientes de acidentes vasculares cerebrais. Os avanços são lentos. Recuperar a fala e os movimentos requer um treinamento intenso e repetitivo. Muita gente desiste. Apostando que daria certo, Jill teve disciplina e persistiu.

                “Hoje Jill está completamente recuperada”.

______________________________________________________________________________________

                Esta matéria é bastante interessante pois nos mostra um exemplo entre vários que vemos no dia a dia da reabilitação. Quem vive neste ambiente sabe o quão importante é a melhora funcional de um paciente pós-lesão. O Título da matéria é “A força da mente contra o derrame”. Pús o título da Postagem “O paciente só melhora se quiser…” Isto foi para justamente mensionar a importância do paciente acreditar na REABILITAÇÃO, ter perseverança e pensamento positivo sempre. 

                 É certo que nem sempre temos a melhoria completa dos problemas, como no caso da Jill, porém se ela não tivesse a perseverança que mostrou, provavelmente não estaria recuperada cem por cento.

Frederico Meirelles.

Comentem o post!!!

Abaixo postei também dois vídeos da palestra de Jill. Esta palestra a fez ser conhecida no mundo inteiro. Vale a pena conferir.

Obs: Se os vídeos não estiverem abaixo, procure no lado esquerdo da página no item últimas postagens.  

A palestra está dividida em duas partes de nove minutos, com áudio em Inglês e legendas em Espanhol.

 

 

 

 

 

Anúncios