O Joelho, como sabemos, é uma das articulações do corpo que mais se lesionam em qualquer tipo de população. Atletas, amadores, sedentários, obesos, idosos, adolescentes, etc. Em seu estudo com idosos, Bergström BG, comprovou que a prevalência chega de 12,7 a 48% de todas as lesões. Segundo Ladeira, C. E, Em atletas amadores de futebol a incidência de lesões de joelho foi de 13,4 / 1.000 horas de partida.

 

 

           O complexo do Joelho é a maior articulação do corpo, tem estruturas diferenciadas e sofre cargas multidirecionais durante boa parte do dia. Atletas potencializam toda esta mecânica e se lesionam por excesso, e ao contrário, sedentários se lesionam por falta de uso.

As principais lesões do joelho são:

 Ligamentares: Ligamentos cruzado anterior e posterior,colateral medial e lateral, Ligamento patelar, e outros;

 – Lesões meniscais: Em alça de balde, transversas, longitudinais e outras;

 – Fraturas: Fêmur, Tíbia ou Patela;

– Lesões Osteocondrais (Cartilagem articular);

– Tendinites: Tendão patelar, quadricipital, pata de ganso, etc;

– Rupturas tendinosas e musculares;

– Além de problemas reumatólógicos e neurológicos;               

O Osteopatia também tem grande valor na prevenção e tratamento das lesões de joelho, atuando de uma forma diferente. Ela irá buscar em todo o corpo possíveis causas para a sobrecarga do joelho, que podem favorecer a ocorrência de lesões. Muitas vezes o paciente só melhora realmente, se procurar um profissional Osteopata, pois a causa das lesões pode não estar no joelho. Por isso é aconselhável a todos procurar um osteopata para fazer uma avaliação de seus movimentos corporais para prevenção de lesões.

A preparação do joelho para eventuais cargas deve ser feita antes da prática esportiva. Procurar o profissional de educação física para direcionar seu treinamento. Atividade física deve sempre ser estimulada para que a articulação do joelho e todas as outras funcionem normalmente. O corpo precisa de movimento. O que ajuda na nutrição da cartilagem, por exemplo, é o movimento mecânico, se não houver movimento podemos ter um desgaste precoce da articulação, favorecendo a chegada da artrose. Portanto, não fazer atividade física quando se está com dor, não é o correto, o correto é tratar da dor para depois sim fazer a atividade sem mais percalços.

Quando ocorre um trauma forte ou uma lesão antiga que foi negligenciada, o tratamento cirúrgico pode ser a única solução. Hoje em dia as técnicas cirúrgicas estão cada vez menos invasivas e o retorno a atividade se dá em menos tempo. A fisioterapia no pós-cirúrgico é precoce e imprescindível. O estímulo dado pelo fisioterapeuta ajuda a recuperação tecidual além de manter o equilíbrio de estruturas, já que a inatividade é deletéria para qualquer articulação.

 Então termino como comecei:

“Cuide bem do seu joelho, pois um dia precisará dele.”

 

Frederico Meirelles.

Anúncios