Cada vez mais percebemos que o nosso corpo é único e indivisível. Qualquer alteração em alguma parte é sentida em áreas adjacentes, e até, em áreas distantes.

   O corpo é separado por segmentos, apenas para fins didáticos. Quando movimentamos o braço, por exemplo, não só contraímos os músculos do braço, mas também ocorre uma reorganização postural em todo o corpo para dar suporte a este movimento.

   As ligações corporais que tem a fáscia como seu principal constituinte, acontecem em todos os sistemas corporais. O Sistema Nervoso (SN) é todo interligado. Um mínimo estímulo aplicado nas pontas dos dedos dos pés, por exemplo, é sentido por nós, ou seja, o estímulo caminhou até o Cérebro para ser processado e interpretado. Mediante o estímulo, o Sistema Nervoso Central (SNC) estuda se responde ou não. Se responder, gerará uma alteração corporal na amplitude e magnitude necessária para a resposta eficaz.

   O Sistema cárdio-vascular, com seus constituintes arteriais e venosos, estão também em todas as partes do corpo. Apresentam ligações diretas, como se fosse um sistema hidráulico. Como exemplo de problemas a distância, é relativamente comum pacientes com congestão cardíaca apresentarem edemas em membros inferiores, ou seja, problema cardíaco mas com sintomas nos membros inferiores. A Trombose Venosa Profunda (TVP) comumente ocorre em vasos da perna, podendo ocasionar Tromboembolismo Pulmonar pelo deslocamento do trombo, ou seja, início de patologia em vasos da perna e destino no pulmão. Um mínimo estímulo tátil, térmico ou doloroso altera a microcirculação local por estímulo simpático, ou seja, o Sistema Nervoso Autônomo (SNA) controlando alterações de todo corpo, procurando sempre manter a Homeostasia.

   Atualmente as pesquisas vem desvendando que o tecido conjuntivo, que outrora serviu como tecido de sustentação e apoio, pode ser muito mais do que um coadjuvante. A Fáscia está em evidência. Citarei abaixo alguma das funções inerentes a Fáscia.

– Distribuir e organizar as forças atuantes em todo o corpo;

– Facilitar a integração sensorial corporal, sendo primordial para a coordenação motora;

– Distribuição de líquidos pelo corpo;

– Auxílio da drenagem corporal;

– Disseminação bio-energética e bioquímica corporal, inclusive patologias podem disseminar-se pela fáscia como infecções e Tumores;

– Importância capital na estática e dinâmica corporal;

– Demonstra memória tissular (inclusive emocional);

– Sustentação de todo o tipo de vísceras pelo corpo, vasos sangúineos, sistema nervoso, e outros;

– Dissemina por todo o corpo a respiração costal;

– Dissemina por todo o corpo o Mecanismo Respiratório Primário (M.R.P.), ou ritmo Craniano *(1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19);

– Une todos os tecidos corporais;

– Outros.

   Se o tecido conjuntivo está presente em todas as regiões do corpo, e se é todo interligado, uma alteração em determinado local, com certeza, irá repercurtir sobre outras regiões. Não podemos ter uma visão segmentada de um paciente. Hoje em dia, mais do que nunca, devemos ter uma visão holística do corpo humano. Normalmente onde estão os sintomas nem sempre estão as causas dos problemas, somente as consequências. Tratar a consequência é valido, mas se a causa não for reparada, a reicindiva poderá acontecer.

   A grande vantagem do Osteopata consiste em ter na sua forma de aprendizado todas estas informações. Os princípios da Osteopatia surgiram após o criador da Osteopatia, Still, ter entendido que o corpo funciona como um só, único e indivisível. A partir desta concepção ele criou e desenvolveu a Osteopatia. A Osteopatia foi criada e desenvolvida a partir deste ponto de vista. Tudo o que as pesquisas relacionadas a este assunto estão comprovando hoje, os Osteopatas antigos já falavam e praticavam pelo mundo. E vale lembrar, que tudo na medicina começa com experimentações.

Procure um Osteopata.

Frederico Meirelles.

Referências:

1. Heisey SR, Adams T: Role of cranial bone mobility in cranial

compliance. Neurosurgery 1993, 33(5):869-876.

 2. Ueno T, Hargens AR, Ballard RE: Intracranial pressure dynamics

during simulated microgravity: using a new noninvasive

ultrasonic technique. J Gravitational Physiology 1998, 5(1):39-40.

 3. Ballard RE, Wilson M, Watenpaugh DE, Hargens AR, Shuer LM, Yost

WT: Noninvasive measurement of intracranial volume and

pressure using ultrasound. American Institute of Aeronautics and

Astronautics Life Sciences and Space Medicine Conference. Book of

Abstracts, Houston, TX 1996:76-77.

 4. Ueno T, Ballard RE, Cantrell JH, Yost WT, Hargens AR: Noninvasive

estimation of pulsatile intracranial pressure using ultrasound.

NASA Technical Memorandum 112195 1996.

 5. Ueno T, Ballard RE, Shuer LM, Yost WT, Cantrell , Hargens AR:

Noninvasive measurement of pulsatile intracranial pressure

using ultrasound. Acta Neurochir 1998, 71(Suppl):66-69.

 6. Ueno T, Ballard RE, Macias BR, Yost WT, Hargens AR: Cranial

diameter pulsation measured by non-invasive ultrasound

decrease with tilt. Aviation, Space and Environmental Medicine 2003,

74(8):882-885.

 7. Moskalenko YE, Cooper H, Crow H, Walter WG: Variation in

blood volume and oxygen availability in the human brain.

Nature 1964, 202(4926):59-161.

 8. Moskalenko YE, Weinstein GB, Demchenko IT, Cooper H, Grechin

VB: Biophysical aspects of cerebral circulation Oxford: Pergamon Press;

1980.

 9. Moskalenko YE, Kravchenko TI, Gaidar BV, Vainshtein GB, Semernya

VN, Maiorova NF, Mitrofanov VF: Periodic mobility of cranial

bones in humans. Human Physiology 1999, 25(1):51-58.

 10. Moskalenko YE, Frymann VM, Weinstein GB, Semernya VN,

Kravchenko TI, Markovets SP, Panov AA, Maiorova : Slow rhythmic

oscillations within the human cranium phenomenology, origin,

and informational significance. Human Physiology 2001,

27(2):171-178.

 11. Moskalenko YE, Frymann VM, Kravchenko T, Weinstein G: A modern

conceptualization of the functioning of the primary respiratory

mechanism. In Proceedings of international research

conference: Osteopathy in Pediatrics at the Osteopathic Center for Children.

3-6 February 2002; San Diego Edited by: King HH. American Academy

of Osteopathy, Indianapolis, IN; 2005:12-31.

 12. Sabini RC, Elkowitz DE: Significant differences in patency

among cranial sutures. J Am Osteopath Assoc 2006, 106:600-604.

 13. Adams T, Heisey RS, Smith MC, Briner BJ: Parietal bone mobility

in the anesthetized cat. J Am Osteopath Assoc 1992,

92(5):599-622.

 14. Michael DK, Retzlaff EW: A preliminary study of cranial bone

movement in the squirrel monkey. J Am Osteopath Assoc 1975,

74:866-869

15. Magoun HI: Osteopathy in the Cranial Field, 2e Kirksville, MO: Journal

Publishing Company; 1966.

 16. Becker RE: Life in Motion Edited by: Brooks RE. Portland, OR: Stillness

Press; 1997.

 17. Oleski SL, Smith GH, Crow WT: Radiographic evidence of cranial

bone mobility. J Craniomandib Pract 2002, 20(1):34-38.

  18. Frymann VM: A study of the rhythmic motions of the living

cranium. J Am Osteopath Assoc 1971, 70:1-18.

 19. Heifitz MD, Weiss M: Detection of skull expansion with

increased intracranial pressure. J Neurosurg 1981, 55:811-812.

Anúncios