Dor, Fisioterapia, Inflamação, omt, Osteopathic, osteopathy, Osteopatia, pain, Reabilitação, Saúde

Capsulite Adesiva / Ombro congelado


Definição:

A capsulite adesiva, também referida como ombro congelado é caracterizada por restrição progressiva da amplitude de movimento da articulação glenoumeral, com recuperação espontânea total ou parcial em um período variável.

Ocorre uma inflamação e, em consequência, uma fibrose da cápsula articular glenoumeral gerando uma rigidez progressiva e restrição da amplitude de movimento.

Na prática clínica, pode ser muito difícil diferenciar o estágio inicial da capsulite adesiva de outras patologias do ombro.

Epidemiologia / Etiologia:

A etiologia é incerta.

Existem duas condições: Capsulite adesiva primária e secundária.

Na primária, não existe fator causal. Sem qualquer explicação o quadro clínico se desenvolve.

Na secundária, apesar de também não haver fator causal, o início se dá após alguma condição conhecida ou após algum procedimento cirúrgico.

A maior prevalência é em mulheres entre 40 e 65 anos e em diabéticos. Com uma taxa de incidência de 2 a 5 % da população geral e 10 a 20% entre os diabéticos. Ter capsulite adesiva aumentam as chances (5 a 34%) de desenvolver a condição no outro membro não acometido.

Fatores de risco:

Diabetes mellitus

Acidente vascular cerebral

Distúrbios da tireóide

Lesão no ombro

Doença de Dupuytren

Doença de Parkinson

Câncer

Síndrome Dolorosa Complexa Regional

Características / Apresentação Clínica:

Os pacientes que apresentam capsulite adesiva geralmente relatam um início insidioso com um aumento progressivo da dor e uma diminuição gradual da amplitude de movimento ativa e passiva. Os indivíduos frequentemente têm dificuldade em se arrumar, realizar atividades diárias e principalmente, colocar as mãos nas costas. A capsulite adesiva é considerada uma doença autolimitada, com a resolução dos sintomas entre 6 meses e 11 anos. Infelizmente, os sintomas podem nunca desaparecer completamente em alguns pacientes.

A capsulite adesiva progride em três fases clínicas sobrepostas:

Fase aguda / congelante / dolorosa:

Início gradual de dor no ombro em repouso com dor aguda em extremos de movimento e dor à noite com interrupção do sono, que pode durar de 3 a 9 meses.

Fase adesiva / congelada / endurecimento:

A dor começa a diminuir, ocorre a perda progressiva do movimento glenoumeral no padrão capsular. A dor é aparente apenas em extremos de movimento. Essa fase pode ocorrer em torno de 4 meses e durar até cerca de 12 meses.

Fase de resolução / descongelamento:

Melhoria espontânea e progressiva da amplitude de movimento funcional que pode durar de 1 a 3,5 anos.

Avaliação:

Pacientes com capsulite adesiva geralmente apresentam restrições de ADM em um padrão capsular. Um padrão capsular é uma restrição de movimento proporcional única para cada articulação que indica irritação de toda a articulação. A articulação do ombro tem um padrão capsular em que a rotação externa é mais limitada que a abdução e mais limitada que a rotação interna.

Diagnóstico:

Nenhum teste clínico específico para capsulite adesiva foi relatado na literatura e ainda não existe um padrão-ouro para diagnosticar a capsulite adesiva. O diagnóstico permanece clínico.

Diagnóstico diferencial:

Algumas condições podem apresentar comprometimentos semelhantes e devem ser incluídas no diagnóstico diferencial. Incluindo: osteoartrite, bursite / tendinite calcárea, patologias do manguito rotador, luxação ou uma fratura proximal do úmero.

Tratamento:

O tratamento definitivo para capsulite adesiva permanece incerto, apesar de múltiplas intervenções terem sido estudadas. Para a maioria dos pacientes, procurar um Fisioterapeuta é a chave para a recuperação.

Importância da educação do paciente:

Para o tratamento da capsulite adesiva, a educação do paciente é essencial para ajudar a reduzir a frustração e incentivar a adesão. É importante enfatizar que, embora seja difícil recuperar toda a amplitude de movimento, a condição irá se resolver espontaneamente e a rigidez diminuirá muito com o tempo. Também é muito importante dar instruções ao paciente e criar um programa de exercícios em casa que seja fácil de realizar, pois exercícios diários são fundamentais para o alívio dos sintomas.

Apesar de extensa pesquisa, mais estudos prospectivos randomizados comparando diferentes tratamentos são necessários para formular diretrizes precisas sobre diagnóstico e tratamento da capsulite adesiva idiopática.

Levine et al. relataram que 89,5% dos noventa e oito pacientes com ombro congelado, incluídos em seu estudo, responderam bem ao tratamento não cirúrgico. Estudos ​​sugerem que muitos pacientes se beneficiaram da fisioterapia e mostraram sintomas reduzidos, maior mobilidade e / ou melhoria funcional. Uma revisão sistemática da Cochrane de Green et al., no entanto, afirma que não há evidências de que a fisioterapia sozinha seja benéfica para a capsulite adesiva.

Muitos estudos foram realizados e revisados ​​comparando injeções de corticosteroides à fisioterapia, mas os resultados foram contraditórios. Concluiu-se que as injeções de corticosteróides fornecem benefícios significativamente maiores a curto prazo (4-6 semanas), especialmente no alívio da dor, mas há pouca ou nenhuma diferença nos resultados em 12 semanas em comparação à fisioterapia.

O ideal é procurar um profissional competente que irá gerenciar o seu tratamento da melhor maneira possível.

Atenciosamente,

Frederico Meirelles.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s