Dor, Fisioterapia, Osteopatia, pain

Dor cervical / Cervicalgia


Dor Cervical / Cervicalgia

Definição

A dor cervical é definida como “dor na cervical com ou sem dor referida em um ou ambos os membros superiores que dura pelo menos um dia”.

A dor e a incapacidade associadas à cervicalgia têm um grande impacto nos indivíduos e suas famílias, comunidades, sistemas de saúde e empresas.

Cervicalgia / Dor Cervical

Epidemiologia e custos globais da cervicalgia

Das 291 condições estudadas no estudo Global Burden of Disease 2010, a dor cervical ficou em 4º lugar em termos de incapacidade. Ocorreu um aumento de 23,9 milhões de casos em 1990 para 33,6 milhões (47%). Pode ser explicado pelo crescimento populacional (30%) e ao envelhecimento (17%).

Com a diminuição da mortalidade infantil e o envelhecimento da população em todo o mundo, especialmente em países de baixa e média renda, é provável que o número de pessoas com cervicalgia aumente substancialmente nas próximas décadas. Aproximadamente metade de todos os indivíduos experimentará um episódio clinicamente importante de cervicalgia ao longo de sua vida.

A incapacidade devido à cervicalgia tem índices mais altos nas mulheres do que nos homens e mais altos na faixa etária de 40 a 45 anos.

O ônus econômico da cervicalgia fica atrás apenas da lombalgia nos pedidos de indenização dos trabalhadores nos Estados Unidos e na Suécia. Os problemas na cervical e nos ombros representam 18% de todos os pagamentos por incapacidade nestes países.

Prevalência

Prevalência de 4,9% de cervicalgia (mulheres: 5,8%; homens: 4,0%). A prevalência ao longo da vida varia entre 22% e 70%.

Childs et al. relataram que, a qualquer momento, 10% a 20% da população relatam problemas na cervical, com 54% dos indivíduos experimentando cervicalgia nos últimos 6 meses.

A prevalência é geralmente mais alta em mulheres do que em homens, maior em países de alta renda em comparação com países de baixa e média renda, maior em áreas urbanas em comparação com áreas rurais e picos em torno dos 45 anos de idade.

Childs et al. sugerem que 30% dos pacientes com cervicalgia desenvolvem sintomas crônicos e 37% dos indivíduos que experimentam cervicalgia relatam problemas persistentes por pelo menos 12 meses.

Fatores de risco

Os fatores de risco para cervicalgia que compartilham semelhanças com outras condições musculoesqueléticas:

Genética, psicopatologia (por exemplo, depressão, ansiedade, somatização), distúrbios do sono, tabagismo e estilo de vida sedentário.

Fatores de risco exclusivos a cevicalgia:

História de cervicalgia, trauma (por exemplo, lesões traumáticas no cérebro e na cervical) e certas lesões esportivas (por exemplo, luta livre, hóquei no gelo, futebol).

Fatores de risco relacionados ao trabalho:

Baixa satisfação no trabalho e a percepção ambiente de trabalho ruim.

Fisioterapia

Embora a maioria dos episódios agudos se resolva espontaneamente, mais de um terço das pessoas afetadas ainda apresentam sintomas ou recorrências mais de um ano depois. Para controlar a cervicalgia, a evidência mais forte é o exercício. Fisioterapeutas têm uma compreensão detalhada da coluna cervical, mecanismos relacionados à dor e prescrição de exercícios, o que os torna bem posicionados para serem os especialistas para ajudar indivíduos com cervicalgia a voltar à função normal, reduzindo assim essa carga global de cervicalgia. Os distúrbios osteomusculares relacionados à coluna cervical são responsáveis ​​por aproximadamente 25% dos pacientes atendidos em fisioterapia ambulatorial nos Estados Unidos.

Fisioterapia para Cervicalgia

Recomendações de intervenção e tratamento

Manipulação / Mobilização cervical juntamente com Exercícios de coordenação, fortalecimento e resistência.

Técnicas de manipulação e mobilização, incluindo Thrust, demonstraram reduzir os sintomas em pacientes com cervicalgia e dores de cabeça. Exercícios que melhoram a coordenação, força e resistência da musculatura cervical também têm demonstrado melhorias nesse grupo de pacientes. Embora cada uma dessas técnicas seja benéfica, os pacientes que recebem uma combinação dos dois tratamentos apresentam a maior redução nos sintomas.

A educação do paciente é importante durante todo o tratamento.

Especialmente após um evento traumático, os pacientes devem ser encorajados a retornar aos níveis de função anteriores ao acidente o mais rápido possível. Eles também devem ter certeza de que os pacientes com cervicalgia normalmente têm um bom prognóstico e é altamente provável que recuperem a função normal.

Uso de Mobilização / Manipulação Torácica

O uso de manipulações e mobilizações torácicas podem reduzir os sintomas em pacientes com cervicalgia e cervicobraquialgia.

Uso de técnicas de alongamento

O alongamento da musculatura envolvida pode ser benéfico para pacientes com cervicalgia.

Limitações da atividade

O paciente deve se limitar à atividade funcional que não causa aumento dos sintomas ao longo do período de tratamento. Isso ajuda o clínico a avaliar alterações no nível de função do paciente durante o tratamento.

Att,

Prof. Frederico Meirelles

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s