Dor, Fisioterapia, Osteopatia, pain

Dor cervical / Cervicalgia

Dor Cervical / Cervicalgia

Definição

A dor cervical é definida como “dor na cervical com ou sem dor referida em um ou ambos os membros superiores que dura pelo menos um dia”.

A dor e a incapacidade associadas à cervicalgia têm um grande impacto nos indivíduos e suas famílias, comunidades, sistemas de saúde e empresas.

Cervicalgia / Dor Cervical

Epidemiologia e custos globais da cervicalgia

Das 291 condições estudadas no estudo Global Burden of Disease 2010, a dor cervical ficou em 4º lugar em termos de incapacidade. Ocorreu um aumento de 23,9 milhões de casos em 1990 para 33,6 milhões (47%). Pode ser explicado pelo crescimento populacional (30%) e ao envelhecimento (17%).

Com a diminuição da mortalidade infantil e o envelhecimento da população em todo o mundo, especialmente em países de baixa e média renda, é provável que o número de pessoas com cervicalgia aumente substancialmente nas próximas décadas. Aproximadamente metade de todos os indivíduos experimentará um episódio clinicamente importante de cervicalgia ao longo de sua vida.

A incapacidade devido à cervicalgia tem índices mais altos nas mulheres do que nos homens e mais altos na faixa etária de 40 a 45 anos.

O ônus econômico da cervicalgia fica atrás apenas da lombalgia nos pedidos de indenização dos trabalhadores nos Estados Unidos e na Suécia. Os problemas na cervical e nos ombros representam 18% de todos os pagamentos por incapacidade nestes países.

Prevalência

Prevalência de 4,9% de cervicalgia (mulheres: 5,8%; homens: 4,0%). A prevalência ao longo da vida varia entre 22% e 70%.

Childs et al. relataram que, a qualquer momento, 10% a 20% da população relatam problemas na cervical, com 54% dos indivíduos experimentando cervicalgia nos últimos 6 meses.

A prevalência é geralmente mais alta em mulheres do que em homens, maior em países de alta renda em comparação com países de baixa e média renda, maior em áreas urbanas em comparação com áreas rurais e picos em torno dos 45 anos de idade.

Childs et al. sugerem que 30% dos pacientes com cervicalgia desenvolvem sintomas crônicos e 37% dos indivíduos que experimentam cervicalgia relatam problemas persistentes por pelo menos 12 meses.

Fatores de risco

Os fatores de risco para cervicalgia que compartilham semelhanças com outras condições musculoesqueléticas:

Genética, psicopatologia (por exemplo, depressão, ansiedade, somatização), distúrbios do sono, tabagismo e estilo de vida sedentário.

Fatores de risco exclusivos a cevicalgia:

História de cervicalgia, trauma (por exemplo, lesões traumáticas no cérebro e na cervical) e certas lesões esportivas (por exemplo, luta livre, hóquei no gelo, futebol).

Fatores de risco relacionados ao trabalho:

Baixa satisfação no trabalho e a percepção ambiente de trabalho ruim.

Fisioterapia

Embora a maioria dos episódios agudos se resolva espontaneamente, mais de um terço das pessoas afetadas ainda apresentam sintomas ou recorrências mais de um ano depois. Para controlar a cervicalgia, a evidência mais forte é o exercício. Fisioterapeutas têm uma compreensão detalhada da coluna cervical, mecanismos relacionados à dor e prescrição de exercícios, o que os torna bem posicionados para serem os especialistas para ajudar indivíduos com cervicalgia a voltar à função normal, reduzindo assim essa carga global de cervicalgia. Os distúrbios osteomusculares relacionados à coluna cervical são responsáveis ​​por aproximadamente 25% dos pacientes atendidos em fisioterapia ambulatorial nos Estados Unidos.

Fisioterapia para Cervicalgia

Recomendações de intervenção e tratamento

Manipulação / Mobilização cervical juntamente com Exercícios de coordenação, fortalecimento e resistência.

Técnicas de manipulação e mobilização, incluindo Thrust, demonstraram reduzir os sintomas em pacientes com cervicalgia e dores de cabeça. Exercícios que melhoram a coordenação, força e resistência da musculatura cervical também têm demonstrado melhorias nesse grupo de pacientes. Embora cada uma dessas técnicas seja benéfica, os pacientes que recebem uma combinação dos dois tratamentos apresentam a maior redução nos sintomas.

A educação do paciente é importante durante todo o tratamento.

Especialmente após um evento traumático, os pacientes devem ser encorajados a retornar aos níveis de função anteriores ao acidente o mais rápido possível. Eles também devem ter certeza de que os pacientes com cervicalgia normalmente têm um bom prognóstico e é altamente provável que recuperem a função normal.

Uso de Mobilização / Manipulação Torácica

O uso de manipulações e mobilizações torácicas podem reduzir os sintomas em pacientes com cervicalgia e cervicobraquialgia.

Uso de técnicas de alongamento

O alongamento da musculatura envolvida pode ser benéfico para pacientes com cervicalgia.

Limitações da atividade

O paciente deve se limitar à atividade funcional que não causa aumento dos sintomas ao longo do período de tratamento. Isso ajuda o clínico a avaliar alterações no nível de função do paciente durante o tratamento.

Att,

Prof. Frederico Meirelles

1, Atividade Física, Atletas, Atletismo, AVC, Área da Saúde, Bem estar, Biomecânica, Coluna Vertebral, Corpo, Derrame, Dor, Esporte de Alto Rendimento, Exercícios, Fisioterapia, Fisioterapia Esportiva, Fisioterapia Neurológica, Fotos, health, Idoso, Inflamação, Medicina, Medicina Esportiva, Neurologia, omt, Osteopathic, osteopathy, Osteopatia, pain, Pesquisas, Qualidade de vida, Reabilitação, Reabilitação Neurológica, Saúde, Saúde do Idoso, Terapia Manual, terapias Manuales, Vídeos

O que é Hérnia de Disco? O que é Protusão Discal? Tratamentos; Diagnóstico; Prevenção; Sintomas…

Siga o instagram http://bit.ly/2F3GyxV

O que é Hérnia de Disco?

Hérnia no dicionário quer dizer: “Passagem total ou parcial de um órgão por abertura natural ou não na parede da cavidade que o contém”. Então, para entender agora fica bastante simples. A Hérnia de disco é uma afecção aguda ou crônica da coluna vertebral onde ocorre uma migração do Núcleo do disco intervertebral, normalmente posterior, que acaba comprimindo estruturas altamente inervadas como a raiz espinhal, o ligamento comum posterior e o nervo espinhal. Esta compressão pode causar dor local e/ou irradiada, além de outros sintomas altamente incapacitantes. Afeta principalmente pessoas a partir dos 40 anos de idade.

Porque ocorre a Hérnia de Disco?

A lesão discal, normalmente, quando não resultada de um trauma grave, não ocorre durante um esforço agudo do tronco. Ela ocorre durante a vida inteira, por pequenas lesões sobre o disco intervertebral. A lesão comumente se inicia na Cartilagem articular, que na verdade é por onde passa a grande parte da nutrição do Disco Intervertebral. Após estas pequenas lesões na cartilagem articular a nutrição discal fica reduzida. Essa redução causa diminuição de diversas células importantes ao disco, inclusive as células responsáveis pela absorção de água. Diminuindo a hidratação, o Disco fica menos maleável, e seu tamanho diminui progressivamente. Como temos lesões da cartilagem, e ainda, o disco desidratado, fica mais fácil o processo de extrusão do Núcleo Pulposo. A unidade funcional vertebral “Corpo – Disco – Corpo” fica desequilibrada e assim aumentam os estresses sobre determinadas áreas. As alterações de movimento, ou seja, alterações mecânicas acabam forçando o núcleo para o “trilho” formado pelas lesões cartilaginosas e o anel fibroso desidratado. Assim temos previamente lesões crônicas, que quando sofremos um trauma ou realizamos um esforço grande, ocorre a migração do núcleo.

Quem pode desenvolver a Hérnia de Disco?

– Trabalhadores que ficam sentados o dia inteiro;

– Operadores de máquinas que fazem esforços excessivos e repetitivos com o tronco;

– Dentistas que realizam esforços de flexão e rotação da coluna diversas vezes ao dia;

– Atletas de determinados esportes que provocam exagerados impactos na coluna vertebral;

– Pessoas sedentárias que normalmente não tem boa Postura e acabam provocando excesso de tensões em regiões específicas do corpo;

– Pessoas obesas que aumentam a carga direta sobre a coluna vertebral;

– Pessoas que tiveram quedas ou traumas diversos criando “disfunções osteopáticas”. Estas disfunções se cronificam e anos depois ajudam a provocar um desgaste articular em determinadas regiões da coluna. Obs: “Só o Osteopata sabe diagnosticar e tratar com estas lesões”.

– Quem tem Herança Genética desfavorável;

– Pessoas que não dormem (descansam) o necessário, pois ao dormir o disco tende a se reidratar. Se não há reidratação adequada o disco de desidrata, facilitando o aparecimento de problemas discais;

– Pessoas estressadas;

– Fumantes crônicos. O Cigarro afeta a microcirculação corporal e dificulta a nutrição do disco intervertebral. Um disco sem nutrição adequada tem maior propensão a problemas;

– Pessoas que realizam exercícios em academias e/ou atividades físicas de forma incorreta, comprometendo a integridade da coluna vertebral;

– Outros.

Qual a diferença entre Hérnia de disco e Protusão discal?

Na verdade a Protusão Discal precede a Hérnia discal. A evolução da Protusão Discal, se não tratada corretamente, provavelmente será uma Hérnia de Disco.

“A Hérnia é uma Protusão Discal, porém a Protusão não é uma Hérnia Discal”.

Na Protusão Discal, não ocorre herniação, ou seja, o núcleo empurra o anel fibroso e este desgastado se dilata e comprime o Ligamento Vertebral Comum Posterior.

Na Hérnia de Disco, ocorre herniação do núcleo pulposo podendo atravessar o anel fibroso e o Ligamento Comum Posterior chegando até a medula Espinhal causando sintomas graves.

Quais os sintomas apresentados?

Dores na Coluna, dores irradiadas, câimbras, parestesias, formigamento, tonturas, dores de cabeça, alterações de esfíncteres, fraqueza muscular, diminuição ou abolição dos reflexos tendinosos, dificuldade para deambular, insônia, Depressão, etc.

Porque após uma crise, os sintomas costumam desaparecer? Estou curado?

Isto é normal acontecer. Quando temos uma lesão discal, o corpo responde e cria uma reação inflamatória local. Esta reação aumenta a dor local e a compressão pelo edema. Após, a inflamação melhora e os sintomas podem desaparecer. Aí que mora o perigo. Quando os sintomas desaparecem, interpretamos que “estamos curados”. Não, não estamos curados, esta é hora de procurar um especialista. A lesão mecânica continua no mesmo local, porém a dor e os outros sintomas melhoraram devido à diminuição da inflamação.

O corpo dá um sinal para o paciente se tratar, se ele não se cuidar, a dor voltará mais forte e mais freqüentemente até o paciente não agüentar mais e procurar um especialista. Com a lesão bastante avançada, o tratamento será mais difícil e o prognóstico pior.

Quais são os tratamentos utilizados e os mais eficazes?

Tratamento Médico:

– Tratamento Medicamentoso: Com Injeções de analgésicos, antiinflamatórios e relaxantes musculares na fase aguda e o controle com medicamentos orais, para os mesmos fins, para a fase crônica;

– Tratamento Cirúrgico: Quando o tratamento conservador não estiver fazendo efeito e o paciente não conseguir realizar suas atividades diárias.

Tratamento Fisioterapêutico:

– Osteopatia;

– Fisioterapia Traumato- Ortopédica: Eletroterapia, Termoterapia, Fototerapia, Alongamentos, Equilíbrio Músculo-Articular, Hidroterapia, Massagem;

-Quiropraxia;

-Acupuntura;

– Estabilização Segmentar, RPG, Mackenzie, Mobilização Neural, Mulligan, Maitland;

-Outros.

Quando tratar?

O quanto antes começar o tratamento melhor. Ao sentir dores na coluna vertebral, dores irradiadas e/ou formigamentos em membros inferiores ou superiores, procure o quanto antes um especialista e marque uma consulta. Infelizmente o que vemos no dia a dia são pessoas procurando atendimento quando o problema já é grave. O tratamento fica mais difícil e o prognóstico não é tão bom como se fosse tratado logo no início dos sintomas.

Como Prevenir?

A prevenção da Hérnia de Disco é realizada com a Higiene Postural e Osteopatia. A Higiene Postural é na verdade saber lidar com o corpo em diversas situações cotidianas, por exemplo: saber abaixar corretamente, levantar da cama, ergonomia no local de trabalho, exercícios corretos na sua atividade física regular; ou seja, consciência corporal. A Osteopatia é tão importante quando a manutenção postural adequada. Quando ocorrem traumas e quedas que “fixam” lesões Osteopáticas, não adianta ter uma boa postura. Ocorrerá sempre uma área sobrecarregada, o seja, hipermóvel que irá gerar lesões aos poucos durante a vida. Tem que se corrigir as lesões Osteopáticas com um Osteopata o quanto antes. A Osteopatia é fundamental na prevenção das Hérnias de disco e na maioria dos problemas articulares do corpo.

Qual o prognóstico?

Como dito anteriormente, o prognóstico depende muito de quando a pessoa procura o profissional especialista. Mas geralmente é muito bom e com reversão total ou parcial dos sintomas.

Como diagnosticar?

O diagnóstico é feito com base nos sintomas apresentados, Relatos do paciente (anamnese), Diagnóstico Diferencial, Testes Ortopédicos, Testes neurológicos, Testes Osteopáticos e Exames Complementares.

Qual profissional procurar?

Deve-se Procurar inicialmente o Médico Traumato- Ortopedista para realizar o Diagnóstico Médico e tratamento medicamentoso. Após, procurar um Fisioterapeuta para realizar o Diagnóstico Fisioterapêutico e Tratamento Reabilitativo. Excetuando-se pacientes com indicação cirúrgica, a Osteopatia é o melhor e mais eficaz tratamento para a hérnia de disco.

O que a Osteopatia pode fazer de diferente para o paciente com Hérnia de Disco?

A grande diferença da Osteopatia em relação a outros métodos de tratamento é a busca pela causa do problema, e não o tratamento dos sintomas. Quando a Osteopatia procura o que causou, ou está causando a hérnia, ela se diferencia dos demais tratamentos que abordam apenas os sintomas e não o verdadeiro problema.

O diagnóstico Osteopático é único e preciso. Somente o Osteopata pode e sabe corrigir lesões Osteopáticas, que as vezes, são as verdadeiras causadoras da Hérnia Discal.

O Osteopata não procura o problema só na Coluna Vertebral. Ele busca a causa, ou as causas: nos Pés, Joelhos, Quadril, Sacro-ilíacas, nas Cadeias Musculares, no Aparelho vestibular, olhos, vísceras, etc. O Problema Discal pode ter a seu início em qualquer lugar no corpo. O Osteopata reequilibra todos os tecidos corporais buscando a harmonia fisiológica necessária para que nosso corpo funcione corretamente.

Siga o instagram http://bit.ly/2F3GyxV

Leia também sobre:

O que é Osteopatia?

Link : http://fredericomeirelles.wordpress.com/osteopatia/

Síndrome do Túnel do Carpo:

Link: http://fredericomeirelles.wordpress.com/2008/09/29/sindrome-do-tunel-do-carpo-tratamentos-diagnostico-prevencao-sintomas/

Marcação de consultas:

Link: http://fredericomeirelles.wordpress.com/contato/

Frederico Meirelles.