Dor, Fisioterapia, Osteopatia, pain

Dor cervical / Cervicalgia

Dor Cervical / Cervicalgia

Definição

A dor cervical é definida como “dor na cervical com ou sem dor referida em um ou ambos os membros superiores que dura pelo menos um dia”.

A dor e a incapacidade associadas à cervicalgia têm um grande impacto nos indivíduos e suas famílias, comunidades, sistemas de saúde e empresas.

Cervicalgia / Dor Cervical

Epidemiologia e custos globais da cervicalgia

Das 291 condições estudadas no estudo Global Burden of Disease 2010, a dor cervical ficou em 4º lugar em termos de incapacidade. Ocorreu um aumento de 23,9 milhões de casos em 1990 para 33,6 milhões (47%). Pode ser explicado pelo crescimento populacional (30%) e ao envelhecimento (17%).

Com a diminuição da mortalidade infantil e o envelhecimento da população em todo o mundo, especialmente em países de baixa e média renda, é provável que o número de pessoas com cervicalgia aumente substancialmente nas próximas décadas. Aproximadamente metade de todos os indivíduos experimentará um episódio clinicamente importante de cervicalgia ao longo de sua vida.

A incapacidade devido à cervicalgia tem índices mais altos nas mulheres do que nos homens e mais altos na faixa etária de 40 a 45 anos.

O ônus econômico da cervicalgia fica atrás apenas da lombalgia nos pedidos de indenização dos trabalhadores nos Estados Unidos e na Suécia. Os problemas na cervical e nos ombros representam 18% de todos os pagamentos por incapacidade nestes países.

Prevalência

Prevalência de 4,9% de cervicalgia (mulheres: 5,8%; homens: 4,0%). A prevalência ao longo da vida varia entre 22% e 70%.

Childs et al. relataram que, a qualquer momento, 10% a 20% da população relatam problemas na cervical, com 54% dos indivíduos experimentando cervicalgia nos últimos 6 meses.

A prevalência é geralmente mais alta em mulheres do que em homens, maior em países de alta renda em comparação com países de baixa e média renda, maior em áreas urbanas em comparação com áreas rurais e picos em torno dos 45 anos de idade.

Childs et al. sugerem que 30% dos pacientes com cervicalgia desenvolvem sintomas crônicos e 37% dos indivíduos que experimentam cervicalgia relatam problemas persistentes por pelo menos 12 meses.

Fatores de risco

Os fatores de risco para cervicalgia que compartilham semelhanças com outras condições musculoesqueléticas:

Genética, psicopatologia (por exemplo, depressão, ansiedade, somatização), distúrbios do sono, tabagismo e estilo de vida sedentário.

Fatores de risco exclusivos a cevicalgia:

História de cervicalgia, trauma (por exemplo, lesões traumáticas no cérebro e na cervical) e certas lesões esportivas (por exemplo, luta livre, hóquei no gelo, futebol).

Fatores de risco relacionados ao trabalho:

Baixa satisfação no trabalho e a percepção ambiente de trabalho ruim.

Fisioterapia

Embora a maioria dos episódios agudos se resolva espontaneamente, mais de um terço das pessoas afetadas ainda apresentam sintomas ou recorrências mais de um ano depois. Para controlar a cervicalgia, a evidência mais forte é o exercício. Fisioterapeutas têm uma compreensão detalhada da coluna cervical, mecanismos relacionados à dor e prescrição de exercícios, o que os torna bem posicionados para serem os especialistas para ajudar indivíduos com cervicalgia a voltar à função normal, reduzindo assim essa carga global de cervicalgia. Os distúrbios osteomusculares relacionados à coluna cervical são responsáveis ​​por aproximadamente 25% dos pacientes atendidos em fisioterapia ambulatorial nos Estados Unidos.

Fisioterapia para Cervicalgia

Recomendações de intervenção e tratamento

Manipulação / Mobilização cervical juntamente com Exercícios de coordenação, fortalecimento e resistência.

Técnicas de manipulação e mobilização, incluindo Thrust, demonstraram reduzir os sintomas em pacientes com cervicalgia e dores de cabeça. Exercícios que melhoram a coordenação, força e resistência da musculatura cervical também têm demonstrado melhorias nesse grupo de pacientes. Embora cada uma dessas técnicas seja benéfica, os pacientes que recebem uma combinação dos dois tratamentos apresentam a maior redução nos sintomas.

A educação do paciente é importante durante todo o tratamento.

Especialmente após um evento traumático, os pacientes devem ser encorajados a retornar aos níveis de função anteriores ao acidente o mais rápido possível. Eles também devem ter certeza de que os pacientes com cervicalgia normalmente têm um bom prognóstico e é altamente provável que recuperem a função normal.

Uso de Mobilização / Manipulação Torácica

O uso de manipulações e mobilizações torácicas podem reduzir os sintomas em pacientes com cervicalgia e cervicobraquialgia.

Uso de técnicas de alongamento

O alongamento da musculatura envolvida pode ser benéfico para pacientes com cervicalgia.

Limitações da atividade

O paciente deve se limitar à atividade funcional que não causa aumento dos sintomas ao longo do período de tratamento. Isso ajuda o clínico a avaliar alterações no nível de função do paciente durante o tratamento.

Att,

Prof. Frederico Meirelles

Fisioterapia

Osteopatia no Rio de Janeiro – RJ

Tratamento de Osteopatia com o Osteopata Frederico Meirelles, C.O.
Local: Av. Presidente Vargas, 583 – Centro, Rio de Janeiro, RJ (próximo Metrô)
Telefone para contato: (21) 98198-5951

Atenciosamente
Frederico Meirelles.

Atividade Física, Atletas, Atletismo, Área da Saúde, Bem estar, Biomecânica, Coluna Vertebral, Corpo, Dor, Esporte de Alto Rendimento, Exercícios, Fisioterapia, Fisioterapia Esportiva, Fisioterapia Neurológica, health, Idoso, Inflamação, Medicina, Medicina Esportiva, omt, Osteopathic, osteopathy, Osteopatia, pain, Qualidade de vida, Reabilitação, Saúde, Saúde do Idoso, Terapia Manual, terapias Manuales

Osteopata Frederico Meirelles C.O.

Atendimento de Osteopatia com o Osteopata Frederico Meirelles.

Centro, Rio de Janeiro – RJ

Maiores informações:

http://fredericomeirelles.com/contato/

Atenciosamente,

Frederico Meirelles.

Atividade Física, Atletas, Área da Saúde, Bem estar, Biomecânica, Coluna Vertebral, Corpo, Dor, Esporte de Alto Rendimento, Exercícios, Fisioterapia, Fisioterapia Esportiva, health, Idoso, Inflamação, Medicina, Medicina Esportiva, Neurologia, omt, Osteopathic, osteopathy, Osteopatia, pain, Pesquisas, Qualidade de vida, Reabilitação, Saúde, Saúde do Idoso, Terapia Manual, terapias Manuales

Osteopatia

Este é um video corporativo da Escola de Osteopatia de Madrid.

Atenciosamente,

Frederico Meirelles.

Atividade Física, Atletas, Atletismo, AVC, Área da Saúde, Bem estar, Biomecânica, Coluna Vertebral, Corpo, Derrame, Dor, Esporte de Alto Rendimento, Exercícios, Fisioterapia, Fisioterapia Esportiva, Fisioterapia Neurológica, Fotos, health, Idoso, Inflamação, Medicina, Medicina Esportiva, Neurologia, omt, Osteopathic, osteopathy, Osteopatia, pain, Pesquisas, Qualidade de vida, Reabilitação, Reabilitação Neurológica, Saúde, Saúde do Idoso, Terapia Manual, terapias Manuales

Desidratação Discal

Siga o instagram https://instagram.com/prof.fredericomeirelles?igshid=tmuc9vwhkbq

Você sabia que de manhã, ao acordar, somos mais altos do que a noite quando vamos dormir? É fisiológico. O disco se desidrata durante o dia, mas à noite, quando deitamos, aliviamos as forças compressivas e o disco se reidrata.

OBS: Importância de boas horas de sono!!!

A desidratação discal é um achado relativamente frequente em laudos de Ressonância Nuclear Magnética (RNM).

Disc degeneration

Veja na imagem acima a diferença de cor entre um disco sadio e um disco desidratado (seta).

Conceitualmente, por pura lógica, o disco intervertebral está desidratado, ou seja, com pouca agua para manter suas funções principais.

O que nos interessa esta informação? Como interpretar este achado? Gera dor? É importante? Tem cura?

Antes, devemos entender a fisiologia do disco intervertebral para que possamos interpretar corretamente este achado. Veja um resumo sobre a função do disco intervertebral em: http://fredericomeirelles.com/2011/07/14/disco-intervertebral-anel-fibroso-e-nucleo-pulposo/.

Após ler o artigo acima, e entender sobre o assunto, podemos chegar a uma conclusão:

Se o disco é hidrófilo, ou seja, tem a capacidade física de absorver água, e esta função está prejudicada, alguns problemas estão acontecendo e a função do disco está sendo prejudicada (relação estrutura x função).

O que acontece para o disco ficar desidratado?

Existem algumas células responsáveis pela hidratação do disco intervertebral e cartilagens articulares:

Proteoglicanos e glicosaminoglicanos, que tem uma função importante em nosso corpo. Veja explicação abaixo:

Proteoglicanos são proteínas extracelulares ligadas a glicosaminoglicanos (estruturas que possuem um dos açúcares aminados e normalmente sulfatados). Os glicosaminoglicanos possuem alta quantidade de carga negativa, e por isso acabam atraindo uma nuvem de cátions, onde o mais atraído é o sódio que traz com ele moléculas de água. Essa capacidade dos glicosaminoglicanos de atrair cátions e água, confere aos proteoglicanos a função de dar a matriz extracelular uma característica hidratada. Além disso os proteoglicanos têm a função de dar rigidez a matriz, resistindo à compressão e preenchendo espaços. (retirado de: http://pt.wikipedia.org)

Na degeneração discal, estas células começam a morrer, fazendo com que o disco fique desidratado. A desidratação discal, apesar de inicialmente não gerar dor, é um sinal de que a região está sofrendo. Com menos capacidade de reter água, o disco não consegue absorver as cargas corretamente, facilitando ainda mais o aparecimento de protrusões e hérnias discais. É muito comum que o disco protruido ou herniado também esteja desidratado. Isso faz parte da gênese da hérnia discal. Podemos deduzir que, se a sobrecarga geradora da desidratação discal continuar ocorrendo, é de se esperar uma aparição de uma protrusão ou, até mesmo, uma herniação discal.

O que fazer?

Antes de tudo, você deve procurar um profissional habilitado para interpretar estes sintomas e utilizar para o raciocínio clínico.

O tratamento deve ser baseado em buscar o que está sobrecarregando esta região.

O Osteopata interpreta estes dados e estimula nosso corpo a buscar seu equilíbrio.

Atenciosamente,

Prof. Frederico Meirelles, C. O.